Foto: © UNICEF/BRZ/Emiliano Capozoli.
Foto: © UNICEF/BRZ/Emiliano Capozoli.
Monte sua camapnha

Monte sua
campanha

Entenda os desafios

Entenda os
desafios

Materias de campanha

Materiais de
campanha

Todos os dias, em qualquer momento, a sociedade e o poder público devem tratar o direito à educação de crianças e adolescentes como prioridade. Mas essa questão precisa de uma atenção ainda maior em momentos de crises e emergências como este, causado pelo coronavírus. A pandemia pode ter acentuado a situação de vulnerabilidade de muitas famílias e ampliado as desigualdades educacionais no Brasil. É hora de agir para garantir que nenhuma criança ou adolescente seja deixado(a) para trás.

A Busca Ativa Escolar é uma estratégia muito útil para ajudar a garantir os direitos de todas as meninas e de todos os meninos, em especial o direito à educação. Mas só é efetiva com o envolvimento de todas as políticas públicas (educação, saúde, assistência social, entre outras) e com a participação e o engajamento ativos da sociedade.

O UNICEF e a Undime, junto com os parceiros Congemas e Conasems, convidam todos os estados e municípios a se unirem a esse esforço. Por meio de ações de informação e de mobilização para diversos públicos, realizadas pelas equipes municipais e estaduais da Busca Ativa Escolar, pretendemos ampliar o nível de compreensão dos desafios e, assim, avançar cada vez mais no enfrentamento da exclusão escolar e na concretização da educação como direito inalienável.

Os diversos materiais e as abordagens indicadas são apenas um ponto de partida para facilitar e apoiar seu trabalho de divulgação e de engajamento. Fique à vontade para criar outras formas de colocar essa campanha nas ruas. Porque Fora da Escola Não Pode! Mesmo que a escola esteja funcionando em outros formatos.


Monte sua Camapnha

Monte sua campanha

Nesta seção apresentamos uma série de sugestões para que seu estado/município possa criar uma campanha de comunicação que engaje e envolva os atores e atrizes locais nessa tarefa. Sugerimos quatro públicos como prioritários para essa campanha: famílias, escolas, gestão pública e mídia. Logo a seguir você vai encontrar algumas indicações de como abordar cada um deles.

Os diversos materiais e as abordagens indicadas são apenas um ponto de partida para facilitar e apoiar seu trabalho de divulgação e de engajamento. Fique à vontade para criar outras formas de colocar essa campanha nas ruas. O mais importante é ter seu município e/ou estado engajado e mobilizado para garantir o direito à educação de cada criança e cada adolescente. Porque Fora da Escola Não Pode! Mesmo que a escola esteja funcionando em outros formatos.

Clique nas barras azuis para ver detalhes de como abordar, com cada público, a importância da Busca Ativa Escolar para a garantia do direito à educação.

Mensagens prioritárias

A comunicação com as famílias deve destacar as seguintes mensagens:

  • A pandemia não revoga o direito à educação (ele vale tanto para atividades educacionais presenciais como não presenciais).
  • O ano não está perdido mesmo sem as aulas presenciais.
  • A manutenção do vínculo com a escola, mais do que nunca, é necessária para garantir a aprendizagem de todas as crianças e todos(as) os(as) adolescentes.

Ações sugeridas

Entre as ações que podem ser realizadas para atingir as famílias estão:

  • Contatos telefônicos e/ou virtuais:
    - Ligações telefônicas.
    - Mensagens de voz.
    - Mensagens de texto por SMS, aplicativos de mensagens e e-mails.
    - Posts, podcasts e vídeos nas redes sociais (como Facebook e YouTube). Um município participante do Selo UNICEF, por exemplo, criou um "twibbon", selo personalizado da campanha que pode ser colocado sobre a foto do perfil em algumas redes sociais, para sensibilizar e conscientizar a população.
    - Murais, blogs ou jornais virtuais das escolas.
    - Reuniões de famílias por videoconferência.
  • - Conversas por WhatsApp, SMS ou outros programas de troca de mensagens.
  • Mídias locais – para alcançar as famílias sem acesso a internet e smartphones:
    - Chamadas de rádio e televisão transmitidas por emissoras locais.
    - Mensagens de áudio divulgadas por motos ou carros de som.
    - Cartazes afixados no comércio local e nas escolas.
    - Faixas nas ruas.
    - Envio ou entrega de folhetos e outros materiais impressos no domicílio.
  • Conversas presenciais – algumas redes permitem ainda atendimento presencial, que pode ser feito da seguinte forma:
    - Por agendamento nas unidades de ensino.
    - Em esquema de plantão escolar em alguns dias da semana.
    - No dia da retirada/entrega das atividades preparadas pelos(as) professores(as) e do cartão alimentação ou de cestas básicas nas escolas.
    - Visitas domiciliares, em especial nas zonas rurais e de difícil acesso. Nesses momentos, é importante reforçar a parceria da escola com a família e divulgar a Busca Ativa Escolar, solicitando que as pessoas fiquem atentas às crianças e aos adolescentes da sua família e da sua comunidade e, percebendo infrequência ou abandono escolar, acionem a equipe da estratégia.
  • Vale lembrar que qualquer tipo de encontro presencial deve sempre seguir as normas definidas pelas autoridades de saúde locais e pela Organização Mundial da Saúde (OMS).

  • Participação de crianças e adolescentes – muitos municípios/estados buscam também envolver crianças e adolescentes por meio de iniciativas, como as seguintes:
    - Atividades com a participação de grêmios estudantis, líderes de sala e ex-estudantes.
    - Ações com os Núcleos de Cidadania de Adolescentes (NUCAs) ou Juventude Unida pela Vida na Amazônia (JUVAs), nos municípios participantes do Selo UNICEF.
    - Iniciativas das secretarias de Educação, Assistência Social ou Cultura ou mesmo da sociedade civil com coletivos de adolescentes e jovens nos municípios e estados, como grêmios escolares. Por exemplo, campanhas para desenhar ou fotografar as atividades escolares realizadas durante a pandemia, a ser divulgadas nas redes sociais e plataformas digitais da escola e das secretarias, com uma hashtag chamativa – como #buscaativaescolar; ou vídeos curtos sobre temas como “minha escola é importante porque...” ou “sinto falta da minha escola porque...” para divulgação nos canais digitais da escola ou da secretaria.

Mensagens prioritárias

A campanha de comunicação com as escolas deve ter como mensagens-chave as mesmas temáticas trabalhadas com as famílias e alguns pontos complementares. São eles:

  • A pandemia não revoga o direito à educação (ele vale tanto para atividades educacionais presenciais como não presenciais).
  • O ano não está perdido mesmo sem as aulas presenciais.
  • O vínculo com a escola, mais do que nunca, é necessário para garantir a aprendizagem de todas as crianças e todos(as) os(as) adolescentes.
  • A prevenção do abandono e da evasão escolares deve ser feita por meio de ações voltadas para os(as) estudantes, suas famílias e a comunidade durante o período de isolamento social e após a retomada das aulas presenciais.

Ações sugeridas

Entre as ações possíveis estão:

  • Realização de uma semana ou dia D da Busca Ativa Escolar na Escola, em que os(as) gestores(as) e professores(as) das unidades de ensino debatam o direito à educação, as causas da exclusão e a importância de manter as crianças e os(as) adolescentes estudando e de incluir aqueles(as) que deixaram de participar das atividades oferecidas durante o isolamento social ou já estavam fora da escola.
  • Realização de reuniões virtuais e/ou presenciais (seguindo sempre as determinações das autoridades de saúde locais e da OMS) com a equipe para falar do papel de cada um na Busca Ativa Escolar e das providências que devem ser tomadas nos casos de estudantes que não estão participando das atividades não presenciais ou que não retornarem após a retomada das aulas presenciais.

    O guia Busca Ativa Escolar em crises e emergências estabeleceu um fluxo para a participação das escolas na estratégia e também pode fazer parte das atividades mobilizadoras com as escolas, a fim de orientar professores(as) e equipe diretiva sobre como proceder.

  • Realização de mutirões de (re)matrícula (seguindo sempre as determinações das autoridades de saúde locais e da OMS), divulgados por meio de faixas e cartazes espalhados por todo o município, além de mensagens nos veículos locais de mídia – com comunicação específica para meninas e meninos em maior risco de evasão. Alguns municípios participantes do Selo UNICEF também fazem campanhas de chamada pública para divulgar o período de matrícula com participação dos jovens do NUCA/JUVA.
  • Promoção de fóruns e eventos on-line (ou presenciais, desde que observadas todas as regras de segurança e proteção para evitar contaminação) com as equipes escolares, para manter um diálogo contínuo e fortalecer os laços entre os atores e atrizes responsáveis pela Busca Ativa Escolar nos municípios e estados.
  • Execução de campanhas para incentivar as escolas a divulgar as atividades que estão realizando durante a pandemia, sob o mote “A escola não para”, por exemplo, e o que está sendo planejado para o retorno às aulas presenciais. É importante reforçar que as escolas devem comunicar às famílias que continuam abertas à comunidade.

Mensagens prioritárias

A campanha de comunicação com os(as) gestores(as) das secretarias municipais e estaduais envolvidas na Busca Ativa Escolar deve ter como mensagens-chave:

  • A divulgação de dados da exclusão escolar no estado/município e suas principais causas (que podem ter sido agravadas pela pandemia).
  • A necessidade da adesão à estratégia e sua implementação para prevenir o abandono e a evasão escolares.
  • A importância da articulação intersetorial e do trabalho em rede para proteger as crianças e os(as) adolescentes e garantir seus direitos.

Ações sugeridas

Para divulgar essas mensagens e os órgãos responsáveis pela Busca Ativa Escolar, bem como incentivar a identificação de crianças e adolescentes em risco de abandono/evasão ou fora da escola, as ações sugeridas são:

  • Colocação de cartazes, pôsteres e posts/vídeos em redes sociais e sites da administração pública.
  • Veiculação de mensagens em rádio e TV.
  • Realização de fóruns ou seminários virtuais com a participação da rede de atores e atrizes envolvidos(as) na implementação da estratégia nos municípios e estados.
  • Inclusão do tema em eventos e mídias da gestão pública.
  • Realização de ações de sensibilização voltadas para o Legislativo e o sistema de Justiça, que podem ser aliados do estado/município na execução da Busca Ativa Escolar. O Fórum Nacional de Prevenção e Erradicação do Trabalho Infantil (FNPETI), por exemplo, realiza caravanas e oficinas, fóruns e seminários estaduais para sensibilizar os(as) gestores(as) públicos(as), legisladores(as) e outros(as) atores/atrizes e obter sua adesão às ações. No caso de eventos presenciais, devem ser observadas todas as regras de saúde e segurança recomendadas pelas autoridades de saúde locais e pela OMS.

Alguns municípios participantes do Selo UNICEF executam ações que podem ser replicadas, como:

  • Divulgação nas páginas dos estados e prefeituras de informações sobre a estratégia Busca Ativa Escolar.
  • Realização, por meio da Secretaria Municipal da Educação, de encontros (que podem ser virtuais e presenciais) com agentes comunitários (as) para reforçar seu papel fundamental na Busca Ativa Escolar. No caso de encontros presenciais, devem ser seguidas todas as regras de saúde e segurança recomendadas pelas autoridades de saúde locais e pela OMS.
  • Realização de plantões nas redes sociais (em lives) para tirar dúvidas e explicar como funciona a estratégia aos(às) envolvidos(as).
  • Gravação de vídeo pelo(a) prefeito(a) para convocar todos(as) os atores/atrizes locais a participar.
  • Realização de um documentário para divulgar o trabalho e os resultados da Busca Ativa Escolar na sua rede.

Vale lembrar, no entanto, que políticos(as) e agentes públicos(as) devem observar as condutas vedadas pela legislação eleitoral (Lei nº 9.504/1997 e Resolução nº 23.627/2020 do Tribunal Superior Eleitoral) durante esse período.

Mensagens prioritárias

Além de dados da exclusão escolar no estado/município e suas principais causas (que podem ter sido agravadas pela pandemia), os materiais e informações enviados aos veículos de mídia também devem incluir todas as mensagens-chave direcionadas aos demais públicos, em razão de seu alcance:

  • A pandemia não revoga o direito à educação (ele vale tanto para atividades educacionais presenciais como não presenciais).
  • O ano não está perdido mesmo sem as aulas presenciais.
  • A manutenção do vínculo com a escola, mais do que nunca, é necessária para garantir a aprendizagem de todas as crianças e todos(as) os(as) adolescentes.
  • A adesão à estratégia e a sua implementação são importantes para prevenir o abandono e a evasão escolares.
  • A articulação intersetorial e o trabalho em rede são fundamentais para garantir a segurança e os direitos das crianças e dos(as) adolescentes.

Ações sugeridas

Entre as formas de levar essas mensagens aos veículos de comunicação, estão:

  • Envio aos(às) jornalistas do documento de Informações gerais e do kit mídia disponibilizados pela campanha.
  • Realização de entrevistas coletivas virtuais para tornar públicos os números de adesões, casos e (re)matrículas do estado e dos municípios na Busca Ativa Escolar, e para esclarecer como funcionam a estratégia e as ações e campanhas já realizadas.
  • Envio dos áudios, jingles, spots, vídeos, cards para redes sociais e outros materiais de divulgação produzidos para a campanha e disponibilizados no site da Busca Ativa Escolar, solicitando parceria para sua veiculação.
  • Criação de campanhas próprias, documentários e séries de programas em áudio, vídeo ou texto para serem difundidos nos veículos de comunicação locais e regionais, respeitando as normas da legislação eleitoral nesse período (Lei nº 9.504/1997 e Resolução nº 23.627/2020 do Tribunal Superior Eleitoral).

Entenda os desafios

Entenda os desafios

Estima-se que, no Brasil, exista um contingente de 1,5 milhão de crianças e adolescentes de 4 a 17 anos fora da escola. Os dados são da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) de 2019, realizada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Esse número corresponde a 3,7% das meninas e dos meninos dessa faixa etária – e todos(as) deveriam estar estudando.

Além disso, há um grande número de crianças e adolescentes que estão em situação de atraso escolar ou foram reprovados(as), o que aumenta as chances de exclusão e de abandono. Segundo o Censo Escolar 2018, as redes públicas municipais e estaduais do Brasil somavam 6,4 milhões de estudantes com dois anos ou mais de atraso e 2,6 milhões de estudantes reprovados(as). O fracasso escolar atinge principalmente as meninas e os meninos que já são privados(as) de outros direitos constitucionais.

Se o cenário de exclusão escolar já era desafiador para as redes públicas de ensino em 2019, com a pandemia de covid-19 as dificuldades aumentaram. Diversos esforços, no entanto, vêm sendo empreendidos por estados e municípios para que as escolas não parem durante a suspensão das aulas presenciais. Segundo pesquisa realizada em agosto de 2020 pela União Nacional dos Dirigentes Municipais de Educação (Undime) sobre as ações das secretarias municipais de Educação durante a pandemia de covid-19, 96% das redes municipais de Educação estavam oferecendo algum tipo de atividade educacional não presencial aos(às) estudantes.

Mesmo com esse empenho, alcançar todos(as) os(as) estudantes têm sido um desafio, pois eles(as) e suas famílias precisam lidar com dificuldades diversas para acompanhar o que foi proposto pelas escolas. Falta de acesso à internet, indisponibilidade de aparelhos e desmotivação são alguns aspectos relatados. Outro ponto de atenção é a situação de vulnerabilidade socioeconômica de muitas famílias, que também foi agravada com a pandemia.

Por isso, é importante que estados e municípios intensifiquem o acompanhamento dos(as) estudantes já matriculados(as) em suas redes de ensino a fim de prevenir o abandono e a evasão escolares, com um cuidado especial para aqueles(as) que foram inseridos(as) na escola por meio da Busca Ativa Escolar. Porque Fora da Escola Não Pode! Mesmo que a escola esteja funcionando em outros formatos.


Materiais de campanha

Materiais de campanha

Baixe os materiais e use para divulgar a Busca Ativa Escolar em seu estado ou município.


Logotipos e materiais promocionais


Vídeos


Spots


Jingles


Redes sociais - Cards


Rede sociais - Posts


Redes sociais - Stories


Conteúdos para WhatsApp

A pandemia não revoga o direito à educação. Nenhuma menina e nenhum menino podem ser deixados(as) para trás. Fora da Escola Não Pode! Mesmo que a escola esteja funcionando em outros formatos. Faça parte desta campanha! Acesse: http://bit.ly/buscaativaescolar.
Mais do que nunca é preciso manter o vínculo de crianças e adolescentes com a escola. Acompanhe a frequência dos(as) estudantes às atividades escolares, sejam elas presenciais, remotas ou mistas. Fora da Escola Não Pode! Mesmo que a escola esteja funcionando em outros formatos. Faça parte desta campanha! Acesse: http://bit.ly/buscaativaescolar.
Crises e emergências, como a da pandemia de covid-19, exigem adaptações contínuas das redes de ensino e um olhar atento para eventuais casos de abandono escolar. Fora da Escola Não Pode! Mesmo que a escola esteja funcionando em outros formatos. Faça parte desta campanha! Acesse: http://bit.ly/buscaativaescolar.
O trabalho em rede é fundamental para proteger e garantir direitos de crianças e adolescentes, em especial o direito à educação. Mobilize o seu estado e município para fazer parte da Busca Ativa Escolar. Acesse: http://bit.ly/buscaativaescolar.
A Busca Ativa Escolar é uma grande aliada na prevenção da exclusão e do abandono escolares. Sua metodologia contribui para identificar crianças e adolescentes fora da escola ou em risco de abandono. Saiba mais em http://bit.ly/buscaativaescolar.
A pandemia mudou a nossa vida. Mas uma coisa não pode mudar: educação é um direito que precisa ser garantido, mesmo em momentos de crises e emergências. Saiba como em http://bit.ly/buscaativaescolar.
A Busca Ativa Escolar é uma estratégia elaborada pelo UNICEF, Undime e parceiros para apoiar estados e municípios na garantia dos direitos de crianças e adolescentes. Fora da Escola Não Pode! Mesmo que a escola esteja funcionando em outros formatos. Faça parte desta campanha! Saiba como participar em http://bit.ly/buscaativaescolar.
A metodologia da Busca Ativa Escolar contribui para que os(as) gestores(as) públicos(as) possam identificar crianças ou adolescentes que estejam fora da escola ou em risco de abandono escolar. Mobilize diferentes atores/atrizes para fazer parte da estratégia. Fora da Escola Não Pode! Mesmo que a escola esteja funcionando em outros formatos. Saiba como participar em http://bit.ly/buscaativaescolar.
O enfrentamento da exclusão escolar é um esforço que deve envolver toda a sociedade. A Busca Ativa Escolar permite mapear a exclusão e o abandono escolares e cria estratégias para manter e (re)matricular meninas e meninos na escola. Faça parte desta campanha! Fora da Escola Não Pode! Mesmo que a escola esteja funcionando em outros formatos. Saiba como participar em http://bit.ly/buscaativaescolar.
A Busca Ativa Escolar fomenta o trabalho intersetorial entre os diversos serviços públicos, como da educação, assistência social e saúde, visando garantir os direitos de crianças e adolescentes. Faça parte desta campanha! Fora da Escola Não Pode! Mesmo que a escola esteja funcionando em outros formatos. Saiba como participar em http://bit.ly/buscaativaescolar.
A Busca Ativa Escolar fomenta o regime de colaboração entre estados e municípios para garantir o direito à educação de crianças e adolescentes. Faça parte desta campanha! Fora da Escola Não Pode! Mesmo que a escola esteja funcionando em outros formatos. Saiba como participar em http://bit.ly/buscaativaescolar.
VOLTAR AO TOPO

0800 729 2872

(61) 98257-2931

Somente WhatsApp

Canal preferencial para membros do Comitê Gestor da Busca Ativa Escolar nos municípios e estados.